Com as batotices do Mundial 2010, que só vêm confirmar que "pau que nasce torto, tarde ou nunca se endireita" (apuramento da França com golo à mão de Thierry Henrry), o debate pelo auxílio das decisões mediante implementação  de meios considerados "Novas Tecnologias" no futebol, regressou ao rubro.

 

Com a Inglaterra, flagrantemente prejudicada nos 1/8 de final, a ver negado o golo válido que daria o 2-2 frente à Alemanha, logo seguido do Jogo da Argentina na mesma fase do campeonato que se apura a partir de um golo em fora de jogo, onde nem Portugal escapou logo de seguida também eliminado na mesma fase pela Espanha perante um único golo da partida também ele em fora de jogo, logo não faltaram as Prima Donnas do costume a levantarem-se em coro, batendo com a mão no peito (eu bem disse... reclamam) apelando pela pseudo verdade desportiva.

 

A FIFA, que ate ainda a pouco tempo atrás tinha ponderado o debate de implementação de alguns meios de auxílio, para a seguir se vir redondamente a escusar de levar avante tal debate, lá ficou agora novamente coagida a dar a mão à palmatória (sem dar o braço a torcer) e Ok: Diz que volta a estar disponível para discutir o assunto.

 

Eu, para não repetir sobre o que penso destas modernices todas, limito-me a linkar...

 

Cartune: Henricartoon

por MrCosmos | link do post

 

Com o Euro 2004, o sentimento de sebastianismo popular chegaria também a Selecção Nacional. O show off prolongou-se. 2006, 2008, 2010...

O texto de hoje Já tem dois anos, mas pela sua actualidade pensei em recupera-lo, e rezava assim:

 

No sábado 7 de Junho, dia de abertura oficial do Euro 2008, os Espanhóis em Madrid viviam a vida deles como o que imagino que devam ser os sábados madrilenos. Tudo bem que a sua selecção só se estrearia na quarta-feira a seguir, mas, no país onde “Portugal é Lisboa e o resto é paisagem”, já se respirava selecção um mês antes. Fazendo um zapping pelos canais de emissão aberta da televisão espanhola, não conseguia descortinar que o Euro já tinha arrancado. No País onde “Portugal é Lisboa e o resto é paisagem” , um mês antes contavam-se os dias para o arranque do Euro, porque - estava profetizado - a Selecção Portuguesa  ganharia o Europeu.

 

Bandeiras Espanholas não faltavam por Madrid. Nos edifícios públicos, museus, alguns hotéis, na fatídica Estação de Atocha…

No País onde “Portugal é Lisboa e o resto é paisagem” a bandeira até já dá como peça de vestuário, assim haja imaginação! A Selecção  é digna das maiores Honras de Estado com horas e horas ininterruptas de emissão nos médias a propósito dos "prometidos" levantarem voo ao céu num avião  baptizado por seu nome de «Esperança»

A deslocação ao país vizinho passou-se, e de volta, cá estamos: “É Dia da Raça”, diz Sua Excelência Presidente Cavaco, num dia 10 de Junho de Portugal é Lisboa  (que o resto da paisagem prepara-se para as paralisações dos camionistas (“são os maiores!") e lá voltamos a saga da selecção que, profecia das profecias, ganharia o Europeu de 2008...

Mas não, cedo saberia como se perderia, e pouco depois quem calmamente o ganharia.

 

Embandeirar em arco, são coisas típicas do Português. Já «nuestros hermanos», fizeram jus ao verso da melodia: “Há muito quem beba do vinho, e coma em pratos de marfim. A gente, primeiro come a relva e faz a festa no fim”.

 

Boa Sorte Portugal!

PC Jerónimo da Silva

publicado no Jornal 'O Portomosense' de 10/06/2010

Texto citado original aqui

por MrCosmos | link do post

 

...há uma máxima qualquer na industria de TV e Audiovisuais mais ou menos assim, como o tema acima. E há de facto pouco para inventar. Fosse cliché numa cena de filme , seja baseado no enredo dum livro, um formato de programa ou concurso adaptado para tantos idiomas, culturas, países... é nisso que reside a arte dos audiovisuais: no "pouco se inventa", nada se cria, "tudo se copia".

 

Parece tal admissão pouco abonatória? Diria que nem por isso. Nesta "máxima" há simbologia, temos metáfora.

Tomemos por exemplo o expoente máximo audiovisual, o Cinema. A Sétima Arte passa a ser reconhecida enquanto tal, muito pela grande disponibilidade aliada a habilidade do saber olhar, interpretar, e então, naquele formato, o da 7ª, saber imprimir as outras e demais Artes: Literatura, Música, Teatro, Fotografia, Dança (ritmo), Escultura/Plástica (nas formas, objectos, luz, profundidade, no 2 ou 3D) etc... todas estas e outras artes, são os ingredientes e nelas reside o grosso da criatividade. A indústria do cinema, basicamente é uma mega-cozinha. Cabe-lhe o papel de pegar nos ingredientes, seguir "a receita",  e enquanto tal, há muitos cozinheiros a fazem-no com o grande mérito de Arte. Hallelujah!

 

Voltemos à TV. Diga-se que a função da tela, ou ecrã, se quiserem, basicamente é mostrar. Dai dispensar-se tantas vezes de criar ou inventar, basicamente, habituaram-se a copiar, a seguirem as "receitas d'avó" de comprovado sucesso popular, e que de antemão sabe-se: resultam. A dificuldade reside no não desvirtuar, dar na quantidade certa para não enjoar.

Conhecem *este videoclip* (link) ? Então agora comparem-no lá com esta versão portuguesa, made in Sic Radical, e depois digam lá se a "máxima em epígrafe" tem ou não toda a razão de ser, e se não é disso que o publico alvo quer ver... Faz-te a vida, se já confirmaste o link atrás, agora pica o play.

 

 

PC Jerónimo da Silva

por MrCosmos | link do post

 

É uma das anedotas mais antigas de que tenho memória, que inúmeras vezes me era pedida pelos amigos para ser contada, e já me havia esquecido dela, até o dia em que um novo Papa aterrou em Lisboa...

Portanto, recupero-a com todo o gosto, passados vários anos, como sempre, contando-a a minha maneira (quem conta um conto, acrescenta-lhe um ponto) mas, e por que não (?) enquadrando-a na actualidade.

 

"Certo emigrante regressa a Portugal numas curtas mini-férias, pois estava peremptoriamente decidido a não perder a visita de Sua Santidade o Papa Bento XVI, à sua terra Natal.

Chegado com alguns dias de antecedência, e instalado na casa de família, numa pacata aldeia nas redondezas da capital, dá de caras com um velho conhecido, parceiro de carteira na escola, nos tempos idos de ditadura.

-Olha! o Zé dos Plásticos!! Tás bom pá?

-Olha, olha! Quem é ele! Estas por cá? Eu estou bem, obrigado. Alias do melhor! Sou actualmente um dos empresários portugueses mais reconhecido em qualquer parte do mundo, até trato por "tu" ao Obama. Responde o Zé dos Plásticos ao emigrante.

-Ah! Lá estas tu... Sempre foste um grande exagerado... estou a ver que não mudas-te nada.

-Aiii, queres lá ver? - Resmunga o Zé dos Plásticos acossado - Isto não pode ficar assim. Quanto é que vale a aposta, em como sou mais conhecido que o Presidente da Câmara?

-Bah! 25,00 €, não me acredito... atira o emigrante.

 

Zé dos Plásticos convida o antigo colega de escola a entrar no seu Mercedes e rumam aos Paços do Concelho. Uma vez lá chegados pergunta o "pseudo" empresário de sucesso a um transeunte: Senhor, por favor, sabe dizer-nos o nome do actual Presidente da Câmara? É que queria-mos ir lá tratar de uns papeis, e seria uma vergonha não saber-mos o nome de tão ilustre personalidade...

Ilustre personalidade?! Replica o transeunte - ilustre personalidade é o Senhor José dos Plásticos! Você é que devia ter concorrido nas últimas eleições que toda a gente o reconhecia, e votava em sí. Agora esse borra-botas? Também não sei o nome, mas não se acanhem, basta tratá-lo por "Sr. Presidente", só, mais nada, que ele "derrete-se" logo todo.

E pronto, lá teve o emigrante de desembolsar os 25,00€ da aposta, argumentando que "aquela" até que era fácil de ganhar pelo visto, ao que o Zé dos Plásticos acrescentava: Ó pá, tu tens de te convencer... aqui o teu velho amigo é íntimo, por exemplo, do Sócrates. Perdão, "íntimo" pode gerar más interpretações, há quem lhe dê roda de larilas... queria dizer existe ali das maiores afinidades, tás a ver?

Lá tás tu... responde sarcasticamente o emigrante.

Ai o Caraças! Mas tu pões assim em dúvida a minha palavra? Pois olha, mais: Aníbal Cavaco Silva, Presidente de Portugal, quanto vale a aposta?

Eh, Eh! 500,00 €, e esfregava as mãos o emigrante.

 

No dia seguinte rumam os dois ao Aeródromo Militar de Figo Maduro, pois sabia-se, ali se encontrava Cavaco Silva no cumprimento protocolar da recepção ao Papa Bento XVI, faltavam poucos minutos para o avião que transportava Sua Eminência aterrar. O emigrante começa a ficar admirado de os guardas e batedores abrirem caminho de imediato para o Mercedes do Zé dos Plásticos avançar. Alguns elementos do forte dispositivo militar até lhe faziam continência, mas daí a ser recebido pelo Presidente de Portugal e naquelas circunstâncias... Já apeados, o emigrante pode verificar Zé dos Plásticos a dirigir-se, passo altivo e confiante, ao palanque onde Cavaco Silva cumprimentava as entidades oficiais da Igreja e do Estado, e qual não é o seu espanto ao verificar a surpresa de Cavaco em ver alí o Zé dos Plásticos, esquecendo-se de tudo o resto, inclusive da mão do Primeiro Ministro esticada no ar, para descer o palanque e saudar calorosamente o famoso empresário dos Plásticos.

Bom, o emigrante rendeu-se, e acabaram os dois amigos de infância a almoçar num chique restaurante da capital, pagava o Zé, que as apostas já haviam rendido 525,00€. Entre um palitar dos dentes do Zé dos Plásticos e um trago do bagaço final, concluia o emigrante: Bem, resta-me então ir ao que me cá trouxe, e assistir a passagem do Papa.

Zé dos Pláticos nem perde tempo: Pá, se és assim tão devoto ao homem, é só dizeres, se quiseres apresento-to.

O emigrante nem cabia em sí de tamanha indignação: O Zé, não me fodas! Que andes aí em tachos com o Presidente da Câmara, com o Sócrates e até o Presidente da República, pronto, tá visto. Agora o Papá?! Mas por quem me tomas? Sempre foste um aldrabão, desde puto.

Zé dos plásticos pousou o palito, esticou a mão ao parceiro e pergunta: 1.000,00€?

O emigrante nem hesita, até porque era a oportunidade de recuperar a forte quantia perdida... Aperta-lhe a mão: 1.000,00€, está apostado!

 

Ao final da Tarde, depois de um dia muito intenso de actividades, visitas e oratórias por Lisboa, Sua Santidade Bento XVI aparece à varanda da residência oficial para sua estadia. Ao lado dele... o Zé dos Plásticos...

A multidão estava eufórica! O papa, de tão cansado já mal se mexia, cabia ao Zé dos Plásticos acenar a multidão que reagia em êxtase.

Ao que se chega um  dos muitos turistas estrangeiros alí presentes junto do emigrante português ainda boquiaberto, e pergunta-lhe:

Mister, what that fuck?!

Quem é aquele senhor vestido de branco, alí ao lado do Zé dos Plásticos?

 

PC Jerónimo da Silva

por MrCosmos | link do post

 

Num estudo publicado em 2007 pelo jornal francês 'Libération', foram dados 46% dos jovens consumidores americanos como nunca tendo comprado um CD de música.

O Compact Disc, que vimos entrar-nos pela casa dentro nos finais dos anos 80, viria ele próprio, em menos de 20 anos, a deixar de ser o símbolo duma tecnologia dominante.

Com o popularizar dos computadores pessoais, que também começam a fazer parte da mobilia em cada vez maior numero de famílias, pela mesma altura, estavam criadas as condições  para a decadência no reinado do mercado  em suportes digitais, fossem música ou filmes. A “ignição” estava montada, e o rastilho aceso. Mas a “explosão” dá-se com o propagar da internet, e suas plataformas de trocas ou descarregamento de ficheiros, um “trinta e um valente” que se diz ser, o tiro de afundanço nas vendas de CD e DVD.

Tal não era previsível no início, pois contrariamente à cantiga de 79, se o “Video  (didn't) Killed the Radio Star”, certo é que: o CD, com a sua sonoridade mais “cristalina”, sem grainhas ou arranhões, mata as cassetes áudio e «aparentemente» arruma com os LP´s de vinil.

 

No entanto, as aparências iludem e quando poucos o ousariam, eis um ressuscitar do velho e resistente formato: os  LP's de vinil!

Sem precisarmos de recuar no tempo, e paradoxalmente, nesta era do XXI  já vinha sendo notório,  paulatinamente, que os contemporâneos do vinil nunca abandonariam o velho formato, mas o mais curioso (!) , é observar a descoberta de adeptos cada vez mais jovens cuja idade lhes roubou a oportunidade de saborear os ritos envoltos naqueles mistérios encobertos num álbum de 'papelão'.

O ritual que passa pelo tirar da bolacha preta do invólucro, colocar o disco no prato, fazer pontaria na trilha correcta para não falhar o inicio da musica, olhar para a capa e apreciar o grafismo ou a mensagem envolta, a sonoridade dos graves e agudos mais puros, entre tantas outras coisas únicas neste centenário 'formato', são coisas que o CD disfarçaria mas não colmataria.

PC Jerónimo da Silva

publicado no Jornal 'O Portomosense' de 29/04/2010

fontes do texto: excertos de cosmeticas.org

por MrCosmos | link do post
Com este post (abaixo re-editado), aventurei-me pela primeira vez a opinar na blogosfera acerca de um filme, de forma muito sintetizada.
Até aqui, a ter que opinar, diria que gostava de apreciar uma boa película, mais pelos aspectos e pormenores técnicos e de produção, antes de passar a relevar o seu conteudo.
Não me considero um cinéfilo daqueles de muita hora de sofa com "calo no cu", e isto é um elogio para tais, mas, adoro cinema, e tal gosto - sei hoje - que não pode estar dissociado do facto e dos aspectos técnicos que desenvolvo no dia a dia. Ossos do ofício.
Sobre cinema, mais que ver, ler, e gostar de opinar, não pelo criticar, que tal aptidão é coisa "doutros actores" , gosto de o fazer, para aprender. São evoluções lógicas para quem frequenta os processos de produção, e passei de certa forma a querer melhor observar, para além dos aspectos e pormenores técnicos e de produção. Hoje, não me são indeferentes bons ou maus argumentos, boas ou más mensagens, evidentes ou subliminares. Hoje até podem sair daqui nas linhas de meus posts alguns disparates, riscos de quem opina. O maior desses disparates, por mim assumido previamente como tal, foi ter dito, "de raspão", que o cinema francês conheceu uma fase algo moribunda. Como castigo, desde então, praticamente pelo leitor de DVD lá da sala, só têm passado cinema francês. E o que me têm deliciado...
Em "Crimson Tide" (Tony Scott 1995), o actor secundário Denzel Washington, protagoniza um papel de um carisma tal, perante seu chefe supremo naquelas circunstâncias (Gene Hackman), que me cativaria perante o actor/realizador afro-americano enquanto fã e da forma peremptória que me viria a tornar seguidor, acompanhando de perto toda a sua carreira.
A Postura tomada por Denzel evitaria uma eminente guerra nuclear à escala mundial. O arrepiante, é que este é mais um daqueles filmes de fonte verídica, tal sucedeu mesmo, e um "Imediato" de operações num submarino americano, e consequentemente toda uma cadeia hierarquica, dividida, altamente armada e militarizada, tem de optar entre cumprir ordens superiores, ou confiar na sua consciência, e avançar com um motin perante um cenário de ignição de Gerra Nuclear por ordens superiores infundadas, no entender de vários.
Este episódio, verídico - que motiva ao espectador do filme às mais e variadas sensações entre dúvidas do certo ou errado - obrigou a Casa Branca, inclusive, a ter de rever suas politicas militares, no que toca à ordem final para disparar armas nucleares. Depois desta crise gerada num submarino americano, posto a navegar com o intuito de controlar o "descontrole" gerado pela separação e fragmentação da URSS, passou a caber ao Presidente dos EUA (até ali era decisão e ordem final do homem com cargo militar hierarquicamente elevado, no cenário de combate) a ordem expressa e clara para disparar armas nucleares.
.
Uma nota final para a banda sonora deste filme (Hans Zimmer), que influenciaria e ecoaria, por tantos e demais trabalhos e mensagens, por esses anos e mundo fora.
.
Um filme obrigatório, portanto. Reproduzo então a partir daqui e agora, o post que publiquei, numa altura em que estava na "ordem do dia", politica e mediatica, o despertar de um falso alarme de mini-crise na Georgia, bem como complemento este remake de post, com o comment deixado na altura pela grande observadora, Jornalista Patricia Santos.
.                  Segunda-feira, 11 de Agosto de 2008
. ...... "lITTLE dUCKS, tHERE´S tROUBLE iN rUSSIA"

No filme Crimson Tide - Maré Vermelha (1995),  Gene Hackman  começa por usar essa expressão que consta no tema do post, para iniciar a moralização das tropas de um submarino prestes a partir em combate.

Ainda não percebi bem qual o supremo interesse da Rússia neste episódio que está a decorrer na Georgia, com algum interesse procurarei fazelo nos próximos dias. Mas e a Europa,  acordará mais uma vez tarde para um problema que se lhe semeia nas barbas?

É por estas e por outras que volta e meia comungo da expressão God bless America.

O ambiente está criado para revisitar a  videoteca VHS lá de casa. Com as recomendacões do Mr, ide ver:

 


ficha | Crimson Tide - Maré Vermelha

 

 

MrCosmos às 12:35 link do post

 

.                 de Patrícia Santos a 12 de Agosto de 2008 às 18:10

Quanto às razões posso dar uma ajuda, porque também não percebia porquê e fui procurar a história. Com a queda da URSS a Ossétia do sul foi incorporada na Geórgia, mas com uma postura pró-russia , acabando por proclamar independência em 1992. A independência não foi reconhecida internacionalmente, mas apesar disso a região tem trabalhado num estatuto de autonomia face à Geórgia . Em 2006 fez novo referendo para suportar a declaração de independência , que não foi novamente reconhecido internacionalmente.
Recentemente a Geórgia invadiu a capital da Ossétia do Sul. A Rússia enviou tropas para o terreno, uma vez que apoia os interesses separatistas da região.
Além das motivações políticas na região temos de acrescentar a posição estratégia da Geórgia motivo pela qual é apoiada por Israel e Estados Unidos. Pela Geórgia passam oleodutos e gasodutos que podem por em causa a supremacia na Rússia no fornecimento energético.
Esta tarde já há notícias que dão conta do fim das ofensivas militares, o que é extremamente importante, pois um descontrolar do conflito numa zona daquelas poderia ter implicações graves em termos mundiais. Isto porque a Geórgia membro da NATO, entrada que foi contestada por França, Alemanha, USA, etc. , pois caso a Rússia algum dia declare guerra à Geórgia a NATO será obrigada a intervir em defesa da Geórgia.
Sim, quer dizer que é uma zona explosiva que, num cenário extremo, poderia resultar numa III Guerra Mundial...
por MrCosmos | link do post

Depois de hoje ter apanhado um cagaço à moda antiga, perante o tema e imagens que saltam a primeira vista no blogue d' O Homem Que Sabia Demasiado, eis que retomo esta rubrica "lamecha" que nasceu no gERAÇÃO rASCA, e que por lá interrompi sem dar "fio-pavio" à ninguém - luxos a que um blogger se dá quando com determinado traquejo que se adquire da coisa - pois sabe-se que mais dia menos dia, retoma-mos aquela conversa que ficou a meio.

 

E para além do já citado O Homem Que Sabia Demasiado, há blogues que já lá no gERAÇÃO citava, e outros que depois descobri, que basta dizer que gosto, porque sim... ide ver com os vossos próprios olhos: Café Margoso, Bitaites, Juramento sem bandeira , A vida é uma peça de teatro , Novo Benfica , Reflexão Portista , e quando me der na telha, apresento mais.

 

Boas leituras!

por MrCosmos | link do post

Chamem-lhe o que quiserem, mas o sol quando nasce é para todos.

Se bem que, por vezes os seus raios não chegam a todo lado, que o digam os fregueses municipes dos vales mais reconditos da serranias portomosenses. Desde que o cosmeticas.org tomou posição publica/apoio a um dos lados da batalha disputada - e que já em 1385 fora disputada num modelo de táctica ascentral conhecida pela «táctica do quadrado» (4 frentes de ataque, tás a ver?) levada a cabo nesse RICO pedaço de terreno que gera controversia, o Campo Militar de São Jorge - desde essa assunção aqui feita que as visitas quadruplicaram das meras dezenas habituais para praticamente  as duas centenas, 200 unique visits.

 

Vale o que vale, assim de barato, lembra-me que valem um cine-teatro praticamente lotado.

 

Pelo que, e a fazer fé  no que as estatisticas públicas do Vila Forte nós dizem, o cine-teatro virtual de Porto de Mós, ou se preferirem, a blogosfera portomosense, Já enchiam essa sala por eventualmente (ou não) a mesma plateia numa primeira sessão das 21:30h que antecede esta nossa com direito à bolinha vermelha das 00:01h. Mas ainda bem que há quem desvalorize as plateias virtuais e os filmes que por aí são projectados.

 

Os Blogues.

 

Foi Porto de Mós, nomeadamente um blogue cujo o editor principal ao fim de 4 anos é ainda hoje mistério mas posso adiantar, e com o à vontade de quem com ele já bebeu umas boas imperiais, que se confirma ser um ex-activo da Câmara-Municipal de Porto de Mós, sim, foi com o Cilício que descobri este mundo que me era até aí desconhecido e que é a blogosfera. Seu lema em 2005, assumido ou não, era pelo que entendo ser o de questionar de forma mordaz, com recurso a sátira politica e na plena posse dessa bela-arte que é o blogar e cujo patamar só está ao alcance de alguns poucos, editores bloguisticos. Gostaria de lá chegar.

A musa inspiradora do cilicio em 2005 passava pelo executivo no poder José-Ferreira / João Salgueiro, que culminou pelo meios que sabemos de costas voltadas e com post´s de honras apenas ao segundo, ou n.º2 da CM.

 

As primeiras linhas que escrevi na blogosfera, foi neste comentário que recupero mais abaixo, do post do Cilício reagindo a derrota inesperada (cenário que por estes dias ainda tem ligeira vantagem de se repetir novamente para o PS) sobre a ida do novo executivo eleito por MILAGRE no seu pagamento de promessa (elitoral, pois o Rui Neves que "até súa" no cumprimento de protocolo nas Missas Campais de São Pedro, não acreditamos que promete-se o que quer que fosse a santa).

 

Reza o dito comentário de 10 de Outubro de 2005:

At 9:32 PM, Blogger PortusDeMolis said...

 

Porto de Mós de facto, empobreceu.

Custa-me admitir isso, mas preferia, por exemplo, ver a minha Terra referenciada por motivos mais nobres do que aqueles que vi ontem em notícia televisiva.
como comunidade, escolhemos este novo representante,para gaudio de alguns, amargura de outros, mas sera que me posso rever neste meu novo representate, enquanto portomosense?
A mim incutiram-me valores.
como filho de um 25 de abril que não conheci, ensinaram-me a honrar valores que alguns teiman em banalizar.

Senhor Presidente, ESTA NAS SUAS MÃOS, repor certos valores que optou desbaratar,a torto e a direito, para conseguir me representar (embora sem o meu voto). mas para isso é preciso que os tenha,caso contrario, cultiveos! pois os Portomosenses não se deixarão empobrecer 2 vezes.

Respeito a sua legitima posição. Respeite tambem a nossa, poupando-nos a atitudes Pobres, e fazendo o que lhe compete.

Será pedir muito?

[fim de citação]

 

Foi o mote que espevitou um(a) gERAÇÃO rASCA portomosense, sim que eles andam aí... Pelo que não sei se dedique este post ao Clicio, ou se agradeça por este início de incursão cibernáutica ao simpático detentor do dom da palavra para povo ouvir - João Salgueiro - que não atendeu ao meu primeiro comentário na blogosfera, e que, se não me havia convencido no boletim de voto de Outubro 2005 com o slogam "Porto de Mós nas suas mãos" (curiosamente um slogan muito identico ao que uma produtora de vídeo local já usava e difundia à algum tempo na rádio e jornal local) , muito menos me convencerá dia 11 com o slogan Outubro 2009: "CUMPRI". O que? O Programa do PSD?

 

Até porque não deixa de ser curioso o ultimo post publicado pelo Cílicio. O homem sempre teve jeito para antever e estruturar o futuro de Porto de Mós. Já vai no ano 2025, vejam lá.

por MrCosmos | link do post
Terça-feira, 15 de Janeiro de 2008
 

 

"Os habitantes de Porto de Mós já Podem voltar a consumir água da rede Pública, o que não era possível durante cinco dias devido a descarga Poluente de uma Suinicultura.

Carlos Daniel (CD), in jornal da tarde -RTP1 15/01/08

 

Que bem que fala o CD, gosto muito do moço, é ele e o Orelhas. Não é nada esse! Qual presidente do maior clube do guinness, qual que! É  o J.R. dos Santos, o outro jornalista, por enquanto da RTP também. Era conhecido pelo orelhas quando a geração rasca andava na primária, não era? e também havia o outro, o Miguel... ai! como era...? isso, Miguel Esteves Cardoso.

Tudo bons rapazes.

 

Fala Bem o CD, e leu bem no teleponto! Mas o Porto a que se refere, este meu apreciado (como os outros dois citados) jornalista CD, não é o "seu" Porto, Cidade Invicta, nãoè! 

É que aqui no Porto, de Mós, Não se recitam telepontos (a não ser na zonaTv, quando há[via] síntese), e portanto, a água até pode ter voltado a estar própria para consumo, mas no que toca a bebela, o método aqui p´ro Mr.  é o de sempre, a de compra, que esgotou por estes dias em alguns supermercados da vila. Por isso a boa noticia que me dá CD, é que para já, o stok de água engarrafada nas prateleiras das superfícies comerciais será normalizado.

 

Isto porque sabem os concelhios Portomosenses que se  há coisa que tresanda por estes lados, são porcos. Suínos! E o que não faltam nas redondezas e fora de portas, paredes meias ou pertinho da Capital de Distrito,Cidade do Liz,  são descargas desses porcos badalhocos, sendo a badalhoquice mais conhecida a porcalhice das descargas da Ribeira dos Milagres.

 

Quem não está para mais badalhoquices diz que é o governo. Até já criaram uma "pasta especial" para o assunto, o ENEAPAI , mas já lá vai quase um ano desse murro na mesa, e os artistas continuam a assobiar p´ro ar. Tanto assobiam que até cheira mal, e desconfio inclusive que o conterrâneo David Fonseca, se tenha a conta disto tudo inspirado para o seu último grande êxito a que chamou Superstars. Pensem nisso da próxima vez que o virem ou ouvirem. Aquilo só pode ser um protesto "ao assobiar p´ro ar que até cheira mal", junto de os efeitos adjacentes, por provável ingestão de água contaminada da rede pública.

 

Concluindo, de tão gasta que é o gênero, dIZ qUE é uMA eSPÉCIE dE rESPIRAR dE aLÍVIO, Torna-se uma piada tão foleira, deprimente, a roçar o ridículo, fraquinha mesmo, vá, só justificável por ter sido o termo "animador"  utilizado (respirar de alívio) na boa noticia dada aos Portomosenses, por sinal, pela ex-fedorenta RTP.

por MrCosmos | link do post

foto perfil.jpg

pauloc.jeronimo@gmail.com

pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D

2016:

 J F M A M J J A S O N D

2015:

 J F M A M J J A S O N D

2014:

 J F M A M J J A S O N D

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

Controle de invasão ET
comentários recentes
Hand ball is actually a nice game to watch. I firs...
Children are not good with lies. They doesnt know ...
Woww!!! I am glad you have shared this old picture...
Alors, dit-il,Au Revoir ! , dit-elle. Alexandre O'...
Jovem, apesoado, dotado, submisso, procura homem d...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
.