Comment Dieu va-t-il recevoir Saramago ?

Tout l'univers de Saramago est déjà dans Le Dieu Manchot . La traduction de Geneviève Leibrich est sublime.

Saramago ne nous raconte pas seulement l'histoire du Portugal.  Mêlant fresque historique et fresque amoureux, Saramago nous narre l'histoire du barroque et du classicisme. Autrement dit, l'opposition entre les humbles et les puissants.

 

Citant l'un des personnages de La Caverne : " Je prévois qu'à partir de maintenant je vais disparaître du paysage, j' espère au moins que vous n'oublierez pas que j'existe ".


Ce post peut être mis en liaison avec : Google Sait il traduire F. Pessoa ?

Nuno

 



 

A imprensa Francesa focou em grande destaque nas suas  várias "une" o falecimento de Saramago.

É com a sua obra Memorial de Convento que Saramago alcançou notoriedade. Traduzida em Francês por Geneviève Leibrich em 1987 com o título Le Dieu Manchot, foi um sucesso de livraria e, rapidamente, foi editada em livro de bolso.

 

Memorial de Convento é uma obra prima da literatura mundial que tem como pano de fundo a sociedade Portuguesa do século XVIII e a Inquisição. Mas o texto não diz só respeito à sociedade Portuguesa. É um livro que visita a história da Europa e da humanidade e, sobretudo, a história dos humilhados e dos ofendidos.

 

A tradução do título, Memorial de Convento, é em Francês, O Deus Maneta ( Le Dieu Manchot ).

O génio da tradutora Francesa foi de ter resumido no título da tradução Francesa a síntese da obra. E, deste ponto de vista, talvez se possa entender porque Memorial de Convento é o alicerce de toda a obra de Saramago.

É à direita de Deus que se sentam os seus eleitos. Leiam-se os textos.  Deus é maneta da mão esquerda.

 

Memorial de Convento apresenta uma trindade diferente :

 

1 : Deus é o Padre ( o Pai )  Bartolomeu Lourenço de Gusmão. Desafiando a Inquisição, fará funcionar o primeiro engenho voador da história da humanidade, a Passarola.

2 : O Filho é Baltasar Sete Sóis e que é maneta porque perdeu uma mão na guerra.

3 : O Espírito Santo é Blimunda Sete Luas que pode ver a vontade dos outros.

 

Esta Trindade Profana é subversão e é, também, progresso e inovação. É a memória eterna do confronto entre barroco e classicismo, entre os humildes e os poderosos.

Citando um dos personagens do romance A Caverna : " Prevejo que a partir de agora vou desaparecer da paisagem, espero, ao menos que não esquecerão que existo ."

Haveriam muitos mais aspectos a desenvolver. Mas fica um sumário. E continuo a pensar que Memorial de Convento só pode ser consensual para quem nunca leu a obra.

 

obs : A citação está traduzida do Francês. Não possuo a obra, A Caverna, em Português. Peço desculpa.

Imagens : Capas dos livros citados.

Este post pode ter interligação com : Google sabe traduzir F. Pessoa ?

Nuno

por PortoMaravilha | link do post
Desconhecia essa primeira obra de sucesso de Saramago, fica como uma boa dica de leitura para descobrir mais a fundo o autor e Portugal. Procurarei uma edição aqui no Brasil.

Abraço,

JP
JP a 3 de Julho de 2010 às 15:47
JP : Acho que é um livro a ler. Mas acho que a problemática vai muito mais além do pequeno Portugal.

Sabias que Saramago escreveu crónicas no Jornal do Fundão tal como Drummond de Andrade ? / teu poeta preferido ;-) O que é extraordinário : É que na altura e ainda hoje quase ou ninguém conhece o Jornal do Fundão. E se calhar tanto melhor.

Resistir para que a arte não seja mercadoria não será fácil.

Ou se calhar tou elitista.

Abraço,

Nuno
Oi, por estes caminhos, JP?

O "Ensaio sobre a Cegueira" é uma alegoria que muita gente devia aprender de cor, pois certos anti-saramagos teriam sido outrora anti-galileus (ponto de exclamação)!
Podemos gostar ou não dum estilo, mas ser assim tão cego é uma peninha.

A civilização avança, a cegueira também.

Boas leituras e boas surpresas, JP.


Eunice a 4 de Julho de 2010 às 23:58
JP : Saramago tem uma obra fora do comum e resto são fábulas . Um pouco à maneira de Jean de la Fontaine.

Praticamente, ninguém leu o Berço das fábulas : Memorial de Convento.

Não deixa de ser curioso que Saramago só desse o direito de filme ( por assim dizer ) , quanto a suas obras a Fernando Meirelles : Blindness / A Cegueira

Numa entrevista, já lá vão 4 anos, Saramago declara no diário "Le Monde" que não quer ver as suas personagens transformadas nisto ou naquilo. Recusando, propostas de inúmeros ( 20 se a minha memoria não falha ) realizadores ianquis.

Blindness é um grande filme. E A Cidade de Deus igual.

Em ambos há continuação !

Como também graças a ti descobri o filme" Tropa de Elite " . Mesmo questionante.

Abraço,

Nuno
Não consigo ler Saramago e acho estranho que quem goste da língua portuguesa aprecie quem escrevia sem pontuação e demonstrando não perceber nem concordar com a gramática...
E penso que o que fez a sua promoção foi o conluio dos seus correlegionários, que se defendem e ajudam mutuamente...
Para provar que o que hoje se fala dele é só por modernixe, basta reparar no que escreveu uma jornalista espanhola, sobre ele(a): «...morreu a grande escritora Sara Mago...»!
Anti-Saramago a 3 de Julho de 2010 às 23:27
Como Vaasco Porcolho foi correr ao Allamdroall, E da prea que tomou aos portugueeses.

In crónica de D. João I de Fernão Lopes ( tomo 1 / Livraria Civilização Editora )

Tem uma vírgula, mas sem dúvida pede muito mais esforço que a leitura de Saramago, para quem não quer perder um degrau na escada da evolução da humanidade.

Nuno
APOIADO!

E acrescentarei :
"Quem não sabe arte, não a estima".... bem disse L. de Camões!
Eunice a 4 de Julho de 2010 às 23:48
Está questão gramatical também começou por me deixar bastante ceptico relativamente ao escritor Saramago.
No entanto, no meu caso, e porque o "enredo" do livro em sí falou de imediato, mais alto, depressa me apercebi que o genero de escrita de Saramago pode perfeitamente ser daquelas coisas que primeiro estranha-se, depois entranha-se... Ao fim de 2/3 páginas já não faz confusão nenhuma, pelo contrario: parece-me que apanhando o ritmo, a leitura passa a ser ainda mais escorreita e facilitada.

E está questão esta-me a fazer lembrar uma outra: a liberdade e forma de expressão do artista.
Comunicar e passar a mensagem penso que deve ser a prioridade, nem que para com isso se tenha de romper com as regras e agir politicamente incorrecto.

O Cinema, p. ex. evoluiu, muito, quando um jovem realizador francês, em certa altura rompeu com as "Regras Gramaticais" da montagem/edição dos filmes, que obedeciam a "cliches técnicos" enfadonhos, regras mais ou menos rigidas na forma de apresentar os planos na tela, e no fundo, rompeu com a forma ordenada , metódica, certinha da montagem.

Vai daí, e de meros anonimos, os montadores/editores de filmes passaram a a ser observado e a ter o devido reconhecimento na indústria de cinema, precisamente por se lhes ter dado a liberdade de aplicarem a escrita cinéfila a seu bel prazer, livre de "regras e gramaticas".

Pegarei neste tema em altura oportuna.
Paulo

Muito bom o que escreveste : Vens lembrar que a escrita antes de tudo é oralidade. E a regra é essa . E que os grandes escritores sempre tentaram essa passagem da escrita à oralidade.

Um texto é feito para ser lido em voz alta.

Seria complicado desenvolver esta problemática numa caixa de comentários. Voltarei ( x = censurado . Tanta coisa a amar que me falta tempo )

Peguem nas primeiras de memorial de convento e comecem a lê-las em voz alta.

Nuno



foto perfil.jpg

pauloc.jeronimo@gmail.com

pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D

2016:

 J F M A M J J A S O N D

2015:

 J F M A M J J A S O N D

2014:

 J F M A M J J A S O N D

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

Controle de invasão ET
comentários recentes
Hand ball is actually a nice game to watch. I firs...
Children are not good with lies. They doesnt know ...
Woww!!! I am glad you have shared this old picture...
Alors, dit-il,Au Revoir ! , dit-elle. Alexandre O'...
Jovem, apesoado, dotado, submisso, procura homem d...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
.