Traduzida e publicada em 18 línguas, a Banda Desenhada Walkind Dead é um sucesso editorial mundial que parece incomodar. Como qualificar e explicar este êxito que levou esta Bd a ser, igualmente, o esqueleto e a estrutura duma série TV de renome?

 

Contrariamente ao que se poderia pensar, a criação de Robert Kirkman, cenarista norte-americano, conhece uma enorme divulgação na Europa, existindo 15 adaptações diferentes, não se contabilizando, por razões óbvias o Reino Unido. Se países como a França, a Alemanha ou a Espanha acompanham o ritmo de publicação norte americano desde a publicação do tomo:1 (2005), já países como a Hungria ou Portugal só em 2011 e 2010, respectivamente, iniciaram a publicação traduzida do primeiro tomo.

 

Na Ásia, três países publicam e traduzem a série: Coreia do Sul, Japão e Taiwan. A afirmação de Walking Dead num universo dominado pelo grafismo da Bd Manga é uma proeza que deve ser evidenciada. Foi a Coreia do Sul, logo seguida pelo Japão, quem inaugurou a edição da série, havendo já 9 tomos publicados desde 2011.

 

Na América do Sul, o Brasil foi o primeiro a editar, em 2006, a Bd de Robert Kirkman. Ou seja, acompanhando o nascimento da Bd e com 5 anos de avanço em relação à Argentina, Chile, México e Peru. 

 

Nascida nos Usa, contaminando as terras anglófonas, Austrália, Irlanda, Reino Unido... e, em seguida, grande parte do planeta, Walking Dead passou, também, a ser uma Bd adaptada à televisão nos países onde existe, exceptuando na Hungria. 

 

Vários textos que se debruçam sobre a Bd apresentam análises e observações que reenviam para o apocalipse. Penso que Walking Dead é muito mais do que uma mera metáfora do simbolismo mítico do Apocalipse e do Juízo Final. É a tentativa dum questionamento sobre o relacionamento e os comportamentos humanos alienados por um mundo dominado por uma sociedade onde tudo é mercadoria e troca, inclusive o próprio ser humano.

 

O retorno dos mortos à convivência com os vivos constitui a acção central que conduz a intriga. Em Walking Dead, os autores introduzem-nos num mundo diferente. O relato não nos fornece nenhuma indicação lógica e coerente, quanto à explicação dos acontecimentos. O agente de polícia Rick Grimes, após um tiroteio contra bandidos, acorda num mundo povoado, essencialmente, por mortos vivos. Nenhuma informação nos é dada perante esta ambiguidade. A medida que a narração evolui, aceitando-se o pacto de leitura, acabamos por decifrar de maneira racional elementos sobrenaturais.

 

Para tornar aceitável o fio condutor do relato, os autores vão introduzir  progressivamente eventos que focam a condição humana. E, imediatamente, ressalva que, no âmbito dum meio ambiente hóstil, a espécie humana só existe colectivamente. O recurso ao fantástico desentroniza o mito da viabilidade do indivíduo só no mundo. Robinson Crusoé, sobrevivendo isolado na sua ilha longínqua, é um ser muito mais irreal que Rick Grimes e os seus companheiros. E, paralelamente, só uma compreensão recíproca permite ao grupo de Rick sobreviver perante os perigos exteriores. E não é um paradoxo se os perigos mais reais decorrem dos grupos humanos cujos relacionamentos assentam em relações de opressão violenta entre os indivíduos. O exemplo da sociedade dirigida pelo "Governador" é ilustrativo disso. Os mortos vivos, abstraindo-se a dinâmica do número ou da quantidade, acabam por ser inofensivos.

 

Em Walking Dead, uma pintura realista, a da condição humana, alia-se com o fantástico, o regresso dos mortos vivos. A descrição das leis que autorizam a opressão na sociedade já não pode ser feita segundo as normas convencionais. A terceira vinheta do primeiro tomo e, logo, da série é elucidativa. O fugitivo prefere morrer a voltar para a prisão. Todavia, como o questionamento sobre a existência humana não pode prescindir duma abordagem realista da vida, explica-se, assim, essa aliança entre o real e o imaginário. Em simultâneo, o fantástico permite aos autores combater uma censura mais subtil: a do inconsciente. É, sem dúvida, mais fácil evocar tabus e preconceitos num contexto estranho: certos temas ou ideias serão melhor aceites se são assimilados ao fantástico. 

 

A existência dos mortos vivos provoca uma ruptura num sistema social que parecia condenado a se prolongar indefinidamente. Graças ao aparecimento dos mortos vivos, é possível "falar" da vida. O grupo de Rick é uma amostra de civilização humana. Não existe lugar para a fatalidade, certezas ou dogmas que são sinónimo de queda. Tudo é movimento e é nesse movimento que os companheiros de Rick encontram a sua salvação. A construção de mundos diferentes opõe-se ao mundo dos zombis cuja vida se assemelha à de um animal, de um predador, de um parasita que se enrosca e come o que poderia ser um semelhante seu. 

 

Os aspectos ligados ao regresso dos mortos mergulham e perdem-se na cultura popular europeia. Eles desentronizavam o sério e os dogmas que a burguesia, aquando da Renascença, foi elaborando para assinalar o seu poder e a sua ideologia. Talvez o êxito de Walking Dead possa ser explicado, em parte, por essas reminiscências. O tema do regresso dos mortos vivos, tratado debaixo duma forma carnavalesca ou não, é um dado das sociedades medievais europeias que, com as navegações marítimas, chegou às Américas. Note-se, por exemplo, que um dos maiores romances de língua Portuguesa que assenta no regresso de mortos vivos foi escrito por um Gaúcho: Incidente em Antares, Érico Veríssimo.

 

Walking Dead é uma obra que se articula em redor da condição humana. O recurso ao exagero, ao imaginário, ao sobrenatural, ao fantástico desagua na desentronização dos valores sérios ou oficiais da sociedade. A Bd inscreve-se na tradição carnavalesca e popular que nega o dogma, a fatalidade e o imobilismo. 

 

Fontes: Walking Dead - Le Magazine Officiel n°3 / Introdução à literatura fantástica - T. Todorov / L'Oeuvre de F. Rabelais - M. Bakhtine  

Nuno

por PortoMaravilha | link do post

 

 

  

"Quando a esmola é grande o pobre desconfia" e tanta propaganda que se viu no pré-lançamento do filme de Rúben Alves A Gaiola Dourada - um retrato dos portugueses, resultante da epopeia de sua emigração nas últimas décadas - confesso que me levou a sentar na sala com a esperança e espetativa de que ia enganado.

 

Tentando apaziguar a discussão entre meus dois neurónios frontais contra um ocipital, degladiavam-se: "lá tás tu Paulo... vai-se a ver e na volta o filme até que merece mesmo uma Palma de Ouro, à grande e à francesa (link). Espera..."

1.ª Surpresa: a sala começava a mostrar-se demasiadamente bem composta.

Mais de metade dos lugares ocupados, tendo em conta que estamos ao meio da tarde de um dia de semana, no pais que, contam  as estatísticas, tem a mais baixa taxa de cultura cinéfila (ou de leitura, já agora...) bom, isto por si só já é obra.

 

"Vês o efeito da propaganda? Picardava o neurónio ocipital.

 Achas que sim, oh cromo? Vinte e seis dias depois da estreia nacional? Ripostava um dos do lóbulo frontal.  Em parte, talvez... mas no todo, duvido - atiçava o segundo dos frontais, prosseguindo: Ó "neurónio ressabiado", pá. Aqueles anos de neve na infância passada pelos Pirenéus Bascos afetaram-te mesmo do clima, com certeza..." E a Sala continuava enchendo.

 

É relevante e sintomático o percurso cultural dos Portugueses.

Eles aprenderam a ver televisão, antes mesmo de terem tido oportunidade de aprenderem a ler. Sim, literalmente. E esse fenómeno, de certo modo prolongado pelos próximos 30 anos é determinante para o nível e exigência cultural que demonstramos hoje. Com o aparecimento das primeiras emissões da RTP nos anos 50 num pais maioritariamente analfabeto como o era o nosso, o povo entra em transe com emissões de futebol, festivais da canção ou concursos. Entre os prazeres de assistir, ver e ouvir as emoções de "Gabriela" ao vivo, in loco na pequena "caixa mágica" ou deleitar-se na leitura da mesma, escrita pela pena de Jorge Amado, a escolha seria óbvia.

E se hábitos de leitura  nunca pegaram, os da sétima arte então, nunca vingaram.  Os Portugueses continuam a ser os cidadãos da Europa

que menos cinema frequentam, onde mais salas fecham ou as cadeiras livres abundam.

 

Mas cultura? O que é isso da cultura?

Depois de alguns anos de investimento nesse sentido, o atual governo português retrocede dizendo-nos que, por culpa da crise... há que exterminar, precisamente este Ministério, o da Cultura. Foi a primeira das Reformas de Estado a pôr em prática, aquando da remodelação de Ministérios. A população, a que "sabe ler" inclusive nas entrelinhas, retira daqui outras leituras: demonstram-nos o modo como os dirigentes do país, eles próprios uns incultos, encaram o assunto. Numa atitude "comezinha", "portuguesinha", revivem-se memórias antigas: "cultura é no campo, no lavradio. A cultura do ancinho, da enchada, do terreno que germina. Recupere-se a agricultura, a verdadeira cultura." Como em tudo, há que definir prioridades.

 

Alors, e o filme? O filme... bon, c'est ça: "La Cage Dorée" -  A Gaiola Dourada escreve-se, fala-se e protagoniza-se na mais francesa e incontornável de todas as cidades - aquela que, dentre todas as outras, mais portugueses acolheu em todo o mundo: Paris.

Na película estereotipa-se uma família emigrante portuguesa. Mas a estória extravasa o que se possa considerar ou etiquetar como sendo exclusivamente a imagem ou vivências experimentadas pelos nossos emigrantes franceses. Porque as emoções que ali se vivem, assistindo-se à película, universalizam-se. Serão as mesmas e comuns a quaisqueres outras experiências de vidas em qualquer outro país onde quer que exista um portuga estrangeiro

 

Cada um experienciará o filme à sua maneira mas eis uma das cenas que se me mostrou particularmente das mais marcantes:

Maria e Zé (Rita Blanco e Joaquim de Almeida) na arrecadação da casa vão selecionando alguns haveres, presume-se que para levarem de regresso para a terra natal. Como plano de fundo na imagem temos um grande placard de ferramentas, à imagem do personagem, o Zé, um humilde e prestável pedreiro, biscateiro habilidoso, de quem os vizinhos franceses tanto apreciam e recorrem (interesseiramente).

Enquanto Zé enrola o fio de um berbequim, Maria  puxa de um monte de roupas antigas um par de calças que o filho já há muito não veste desdobrando-o e apelando à memória de Zé: "Lembras-te como o Pedro detestava estas calcas?".

Um mero exemplo de uma entre várias cenas que resultará num potencial reboliço às entranhas de qualquer espectador que tenha vivido noutra comunidade ou cultura fora da sua terra natal. À qual lhe baterá um potente flashback rodeado de emoções à flor-da-pele, vestindo ele próprio aquelas mesmas calças e revendo-se no lugar do filho de emigrante, nas discussões matinais sobre a roupa para vestir e dentre as quais, eram por nós (crianças) de imediato descartadas todas aquelas peças de indumentária que evidenciassem a cultura portuguesa (ou imagem de coitadinho) num pais onde se é forasteiro. Basta o que basta, não se esperá-se que fosse o catraio, o primeiro naquele dia a acordar o estigma sofrido em qualquer recreio escolar estrangeiro pelo "típico filho do pedreiro e mulher a dias portugueses" que os nativos daquela terra fazem questão de nos recordar copiosamente, quotidianamente, direta ou indiretamente.

 

E quando um filme nos arranca consecutivas gargalhadas com a mesma facilidade e naturalidade que a seguir nos leva às lágrimas, então arriscaria que não há dúvida: só podemos estar perante um grande filme, digno do mais prestigiado troféu de cinema francês e europeu, mas para o qual é preciso ser-se Português para o entender em toda a sua plenitude.

BravôPalma de Ouro à Gaiola Dourada!

E desengane-se: mais propaganda sim. É disso que precisam, afinal, os filmes portugueses. Para que os pobres de espírito deste pais deixem de encarar ofertas culturais como esmolas.


 

Paulo C. Jerónimo

por MrCosmos | link do post

 

 

Para festejar o seu décimo aniversário, a revista So Foot, nascida com um capital de 450 euros, apresenta 198 páginas de entrevistas "orgásticas" com jogadores que marcaram e pontuam a história do futebol moderno. 

Dado a conhecer, graças ao FC Porto, com a conquista da Liga dos Campeões Europeus em 1987, Paulo Futre é o único jogador Português presente no conjunto de entrevistados, destacando-se, assim, com Platini, Zidane, Ronaldinho, Hagi...

 

Após a consagração da Liga dos Campeões Europeus, Paulo Futre é transferido para o Atlético de Madrid por 400 milhões de pesetas (2,2 milhões de euros). A segunda maior transferência de sempre para aquela época. E esta transferência desagua, com o tempo, em outras. E, no âmbito da sua carreira, Paulo Futre, conhecerá Berlusconi e Bernard Tapie homens que, ainda hoje, são actores da actualidade internacional. 

Nascido em 1966, numa família operária de Montijo, Paulo Futre, depressa toma consciência da sua condição social e define-se como anti-burguês. O seu primeiro salário é destinado a comprar um gira-discos e para ouvir a música de Queen e, se a história se repetisse, tornaria a fazer greve, como jogador, aquando a Copa do Mundo de 1986. 

 

Poder-se-ia continuar a descrever a entrevista com Paulo Futre e, no fundo, poder-se-ia pensar que este depoimento não aponta nada de novo se não existissem estas palavras do mesmo Paulo Futre:

 

" ... (eu) não compreendia nada, não compreendia que se ganhássemos a final (LdC) todo o povo do Porto, ricos e pobres, ficaria feliz. E se perdêssemos todos chorariam. Porque só no Porto é que é assim."

 

Haverá melhor do que estas palavras para definir uma nação? 

O Porto é uma nação!

Fonte: So Foot - 10 ans - n°108 - pp.180-184

Nuno

por PortoMaravilha | link do post

 

 

Em seis de Agosto de 1968, Miguel Torga, visitou Vilarinho das Furnas, no Gerês, véspera do dia em que esta Aldeia foi inundada. Como outras comunidades comunitárias foi escolhida consciente e politicamente pelos Serviços Florestais dependentes do governo fascista. Os sectores geográficos correspondentes à construção das barragens foram determinados, essencialmente, por razões ideológicas. Era necessário desenhar uma unidade que nunca existiu. Aceitar que "para lá do Marão mandam os que lá estão" não era compatível com o conceito de centralismo.

 

A diversidade de inúmeras "minha terra = meu país" não é incoerente com uma vivência de 8 séculos no âmbito da mesma fronteira administrativa e nacional. Miguel Torga como Fernão Magalhães é Transmontano. Se Miguel Torga, prémio Internacional de Poesia em 1972, é um ilustre desconhecido em Portugal, Fernão Magalhães, o maior navegador Português, não figura no monumento realizado em honra dos descobrimentos.

 

Não se trata, nesta nova rubrica, de construir novas teorias ou ideias. Sim de disponibilizar documentos sobre a cidade do Porto e a sua história que o centralismo lisboeta procura apagar ou normalizar na memória colectiva dos Portugueses.

 

Na foto, tirada em 1963/4, aparece a seleção de andebol da cidade do Porto. Esta seleção reunia jogadores de vários clubes da cidade Invicta e participava em torneios na Galiza. O quadro da foto é o campo de andebol do antigo complexo desportivo do FC Porto, situado na Rua da Constituição. Este complexo, guardando-se a fachada, foi totalmente renovado. 

 

Fontes: Miguel Torga, En franchise intérieure, ed. Aubier Montaigne, Paris 1982, p.347 | O Título é tirado do nome duma novela, em honra do Porto, do escritor Brasileiro Moacyr Scliar | A foto é minha

Nuno

por PortoMaravilha | link do post

 

Quatro anos de cosmeticas.org. Faz hoje.
Estamos a ficar cotas :-)
por MrCosmos | link do post

 

 

Com o verão reaparecem sempre as velhas máquinas de filmar ou chega-se a conclusão que está na altura de as trocar. Parece-me por isso oportuno disponibilizar este texto que pode ajudar a melhor compreender o aparelho, e os seus suportes, que estão sempre a mudar.

Ou até pode ser que quem se depare com este post seja um profissional que partilha destas várias complicações. Em resumo...

 

A constituição da Câmara de Filmar passa fundamentalmente pela lente; o microfone; o corpo da máquina; deck de gravação; e fonte de alimentação.

Debrucemos-nos sobre os mesmos.

A lente (ou objetiva) é o utensílio destinado a captação de luz que permitirá detalhar o enquadramento, forma e nitidez dos objetos, através da manipulação do diafragma (ou iris), zoom e foco.

O microfone, componente simples de compreender, serve para captação de áudio ambiente ou direcional, a ser enviado para o circuito de processamento de áudio no corpo da máquina.

O corpo da máquina ocupará o maior espaço da câmara de filmar. Aqui incorporam-se : os CCD (charge-coupled device) componentes eletrónicos destinados ao escrutínio da luminância e crominância transportada pela luz recolhida pela lente - tecnologia com largas décadas de aplicação que rivaliza atualmente com a geração de CMOS assente em circuitos integrados. Incluem-se ainda no corpo da máquina: microprocessadores; microcontroladores; memórias RAM - onde se aparecem elementos de lógica digital para processar os mesmos dados; e placas ou componentes eletrónicos vários, destinados ao processamento de luz, som, imagem, registo/gravação, e gestão da alimentação/energia e ao deck de gravação.

Este último, o deck de gravação, tem sido desde há várias décadas e até há bem pouco tempo um departamento do corpo da máquina todo mecânico e complexo, propenso a um desgaste acelerado, onde se insere a cassete para o registo magnético dos dados de som e vídeo, processados anteriormente pelos sistemas eletrónicos de registo da imagem e do som. Esta tecnologia tem vindo a perder mercado, quer no amador, bem como estando atualmente em fase de transição no mercado profissional. As longíquas cassetes vêm-se serem substituidas por suportes de dados em memórias flash, mais simplificados (sem mecânica) - vulgo cartões de memória.

Por fim temos a fonte de alimentação, comumente aplicada a uma bateria portátil, mas também passível de ser suportada por ligação direta via cabo à rede elétrica.

 

O mercado comercial e industrial aliado à tecnologia em constante evolução e mutação tornam a última geração de equipamentos lançada hoje como obsoleta amanhã. Isto representa uma enorme dor de cabeça, quer se trate de um ávido entusiasta amador ou, sobretudo, para os profissionais.

As problemáticas relacionadas com a evolução tecnológica e as suas influências sempre representaram um problema acrescido para qualquer um que precise de manter uma rotina atualizada sem perder acesso a consulta de dados por métodos mais antigos.

No meu caso vou usar a titulo de exemplo a minha própria experiencia que se reporta a três gerações tecnológicas diferentes de câmaras de filmar que acompanharam o meu percurso profissional, entre a era de equipamentos analógicos; substituída entretanto pela geração digital standard (SD); esta que por sua vez, nos tempos correntes, também começa a ser considerada já obsoleta (digital SD) sendo que nos encontramos na era do despoletar definitivo da alta definição onde vingam os equipamentos de captação em Full HD.

 

  • Na imagem: 3 gerações de câmaras nos últimos 20 anos.

 

Financeiramente estas questões de mutações constantes entre formatos, codecs, resoluções, tipo de suportes de arquivos, etc, não é uma questão fácil de gerir, pelo que não se compadecem com estas problemáticas a falta de perceção, timing ou perspicácia quanto ao momento exato para agir, sendo que na maior parte das vezes, decisões mal ponderadas ou mal atempadas, ações o inações diversas podem ditar fortes revezes, sobretudo num negócio.

 

Para exemplificar alguma da complexidade do que se aqui se apresenta, e quanto a (r)evolução constante mencionada, recordo-me de uma opinião que partilhava num fórum da especialidade na internet, e que pode mostrar-se mais exemplificadora ainda da complexidade do que se tem estado a abordar.

Numa altura, ainda relativamente recente, e que era de enormes incertezas para muitos sobre migrar ou não migrar do formato de captação e arquivo mais antigo, assente nas vulgares cassetes em fita magnética, sobejamente testado e que oferece determinadas garantias, impondo no entanto já várias limitações para as potencialidades e soluções da era de alta qualidade de imagem em Full HD em que nos encontramos, em contraponto com os atuais equipamentos e suportes mais compatíveis para estas novas filosofias de trabalho disponíveis em equipamentos de captação, ou nos suportes de arquivo, assentes na mídia digital (discos rígidos, cartões de memória Flash, discos óticos, etc) , considerados mais frágeis e suscetíveis de perdas ou danos.

 

Um colega lançava portanto para a discussão o tema: “Fita, ainda faz sentido?” - ao que tentei contribuir com a minha opinião baseada na minha experiência e conhecimentos, quer técnicos, como dos factos:

 

“Continuo preso às cassetes porque continuo a ter câmaras ao uso que as utilizam. Não fosse isso, e já teria deixado de recorrer a elas (cassetes). Mas não pretendo adquirir mais nenhuma câmara com mecânicas/cassetes. Portanto, sigam as memórias flash!

Tenho vindo a migrar a minha "filosofia" de trabalho para suportes/arquivos em HDD desde há cerca de dois anos. Até aí o meu arquivo era feito exclusivamente, desde o ano 2002, em suporte ótico, DVD-r. Tendo em conta os preços para os quais caíram, armazenamento em HDD parece-me um método bastante acessível. Com custos equivalentes ao armazenamento em DVD-r.

As cassetes (da era digital) sempre as regravei, largas dezenas de vezes cada uma, mas aqui trata-se de suporte DVC-Pro [marca proprietária da Panasonic, material mais robusto]. As DV ou DVCam [marca proprietária da Sony e menos fiável para uma regravação constante] nunca me atrevi a "apertar" tanto com elas, nem pouco mais ou menos. Seria outro debate...

Isto para dizer que, no fundo, o tipo de utilização que sempre dei as cassetes foi numa filosofia de reutilização que agora as memorias flash vêm colmatar, ou devidamente sustentar/garantir. Passando em concreto ao debate que o lançado, eis as vantagens e desvantagens que encontro em gravação/armazenamento:

 

Em HDD ou Cartões, disponibilidade dos dados de forma muito mais versátil, volátil e rápida. Espaço Físico que ocupam reduzido. Isto é o que me ocorre logo à cabeça. No entanto considero os dados nestes suportes mais vulneráveis à perda, quer por acidentes/avaria dos suportes, que acontece, se calhar com mais frequência do que alguns desejariam, mas tenho poucas dúvidas que tais perdas de dados estarão mais ligadas ao facilitismo/menosprezo do utilizador e falta de métodos/políticas de segurança bem interiorizadas, mais propriamente do que por falta de fiabilidade nos suportes. Claro: não subestimar a qualidade do fabrico dos ditos cujos.

Trabalhar com dados nestes suportes exige uma disciplina acrescida na sua gestão, comparativamente com as cassetes. Parece-me um facto.

 

Em Cassete o armazenamento fica mais facilitado, e quanto a mim sujeito a bem menos riscos. Para apagar os dados não basta um simples "delete" de teclado acidental durante o manuseamento. Regra geral será necessário percorrer ("regravar") o espaço de fita em causa. Ainda que se prima o REC por lapso numa fita que supostamente não se deveria, a quantidade de dados perdidos dependerá do tempo que permanecermos na ignorância da importância de tal cassete. E a probabilidade de tal suceder, comparativamente com o manuseamento de um Disco HDD, parece-me drasticamente menor.

E acho que reside aqui a principal, senão única, vantagem da cassete. É um suporte mais individualizado devido a baixa capacidade de armazenamento, é um suporte "palpável": está ali na prateleira. Agora, será um tipo de armazenamento prático? E Se for preciso reconstituir ou fazer alterações num projeto (software) mais antigo que já saiu da estação de trabalho? É possível, mas estou em crer que poucos têm os cuidados específicos necessários de backup para tal. E nesse caso há um "pormaior" relevante: a necessidade de equipamento disponível passados alguns meses/anos para a leitura dos dados, e o seu consequente desgaste.

 

Deixando o campo de armazenamento, passando para a questão primária da gravação, é aqui também, no desgaste e avarias das mecânicas dos equipamentos destinados a leitura/gravação de cassetes, que reside a maior desvantagem deste tipo de suporte se o compararmos com gravação em flash (cartões). É neste "pormaior" do desgaste/avaria (ou interferências temporárias: lixo, gorduras, humidades, etc) da mecânica dos equipamentos de cassete que reside boa parte dos erros de gravação/leitura associados a estes suportes, os típicos e mal fadados DROP's de fita, por exemplo. Para não falar na quantidade de vezes que uma cassete gravada num determinado equipamento, deixa de ser devidamente sobretudo quando reproduzidos em equipamento terceiro, devido a desalinhamentos típicos das mecânicas com o uso.

A Panasonic neste capítulo foi pragmática: salvo erro meu, este fabricante já não tem no mercado equipamentos novos com mecânicas/cassete. Pelo menos anunciou essa pretensão/decisão há pelo menos 2/3 anos. Quanto a mim foi uma boa decisão, pois ver-me livre de mecânicas representa ver-me livre de algumas boas chatices traduzidas em custos financeiros.

 

Se a fita ainda faz sentido? Ainda faz. Cada vez menos, mas faz. Acho que é uma questão de tempo para que na prática se venha a tornar um género de suporte popularmente obsoleto. Tempo esse que não me parece muito longínquo."

 

Paulo C. Jerónimo

in "2012 - O Homem Sonha e o Mundo Pula e Avança"

por MrCosmos | link do post

foto perfil.jpg

pauloc.jeronimo@gmail.com

pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D

2016:

 J F M A M J J A S O N D

2015:

 J F M A M J J A S O N D

2014:

 J F M A M J J A S O N D

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

Controle de invasão ET
comentários recentes
Hand ball is actually a nice game to watch. I firs...
Children are not good with lies. They doesnt know ...
Woww!!! I am glad you have shared this old picture...
Alors, dit-il,Au Revoir ! , dit-elle. Alexandre O'...
Jovem, apesoado, dotado, submisso, procura homem d...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
.