O quinze de França, após ter conhecido a sua primeira derrota contra a Itália, no âmbito do Torneio das Seis Nações, ganhou sem dificuldades o jogo seguinte contra o País de Gales (28-9).

Porém, a derrota contra a Itália não abriu corredores para múltiplos questionamentos. E parece que, como manda a tradição, o selecionador Francês só pensava na terceira parte, tão característica do rugbi.

É assim que Marc Lièvremont, selecionador Francês, sem qualquer receio, após o jogo contra o País de Gales começa a sua conferência de imprensa : 

"Tenho que confessar que estou impaciente em poder deixar esta sala para poder ir beber uma cerveja "

 

Fonte : Libé, 21 de Março de 2011 / Ilustração : Prancha da Bd : Les Rugbymen 

Nuno

por PortoMaravilha | link do post

 

 

Nota prévia: Antes que o PortoMaravilha comece a resmungar, eu sei, sim , que nunca pus uma foto tão feia aqui no Cosméticas, e que a da Elizabeth Taylor cada vez mais para baixo, é muito mais bela de apreciar. Mas - Deus me perdõe - A Elizabeth, não fui eu que a tratei de enterrar...

 

Vem o post a propósito de ser recorrente o FC Porto ser conotado com falta de democracia nos últimos 30 anos, por nunca haver quem se candidate contra Pinto da Costa, e por ser sempre este assim a ganhar.

Por muito que custe aos rivais ver Pinto da Costa no poder há mais de 30 anos - e de ser de entre todos no mundo, o presidente com a melhor carreira de futebol - a mim que também já me custa aturalo e sou portista desde pequenino, ou seja: nunca conheci outro Presidente no meu clube, convenha-mos, que não posso desatar por aí a choramingar porque ninguém se atreve a ser drásticamente humilhado numa concorrencia directa à Presidência do FCP contra Pinto da Costa.

Agora, que fique bem claro: Nas próximas eleições do FCP em que haja 2 candidatos ao cargo, cada sócio tem um (1!) voto.

O rico, o pobre, o recém associado ou o mais antigo Dragão de Ouro.

Querem coisa mais democrática?

 

Não é como nos clubes da Capital do Império, onde Bruno Carvalho até teve mais pessoas a votar nele, mas venceu o que conquistou os sócios mais poderosos, pois conforme  a antiguidade, a disparidade e poder de votos entre os sócios do Sporting CP pode conseguir variar entre 1 a 25 votos. Coisa éticamente inadmissivel nos nossos dias, até para uma simples Assembleia de Condomínio.

E parece que para os lados do SL Benfica, a divisão de votos é coisa parecida... Segundo me explicaram sobre os dois casos, e posso correr o risco ter ter sido muito mal esclarecido.

 

 

Quem é democrático, quem é? Era o Salazar...

Não é só nos resultados e carreira futebolistica dos clubes nos últimos 30 anos, até nestes concretos se pode verificar quem são os clubes da era democrática ou os do regime.

 

--

democracia
(grego demokratía, -as, governo do povo)
s. f.
1. Governo em que o povo exerce a soberania, directa!direta ou indirectamente.
2. Partido democrático.
3. O povo (em oposição a aristocracia).
 
aristocracia
s. f.
1. Conjunto dos nobres.
2. Forma de governo em que predomina a nobreza.
3. Superioridade.
 
Dicionário Priberan Online.

 

 

 

por MrCosmos | link do post

 

 

 

Na sua obra, Dialéctica da Natureza, Friedrich Engels escreveu o que ainda hoje é de actualidade :

" Todos os modos de produção passados visaram unicamente a atingir o efeito útil e mais imediato do trabalho. Deixavam-se de lado totalmente as consequências longínquas..."


Fonte : Oeuvres Complètes de F. Engels, Éditions Sociales, Paris 1975, p.182 / Foto : Télérama, nº 3193, p. 44

Nuno

por PortoMaravilha | link do post

 

Preparados para verem Portugal a tornar-se num 27.º Estado Brasileiro?

Se é para rir ou não - a habitual coluna intitulada "Lex", na última edição do Financial Times - não o saberei muito bem... mas é de facto com um tom de fina ironia provocatória, que o conceituado Jornal Internacional Inglês se dirige aos Portugueses:

 

"A equipa de colunistas do Lex do Financial Times diz que Portugal podia tornar-se uma província do Brasil

Colunista do Financial Times lança uma proposta provocatória para resolver a crise de dívida: que Portugal seja anexado pelo Brasil.

A imprensa britânica não poupa na ironia para apontar saídas para a crise de dívida que Portugal atravessa. A equipa de colunistas do Lex do Financial Times diz que Portugal podia tornar-se uma província do Brasil.
"Aqui vai uma maneira ‘out-of-the-box' para lidar com o problema: anexação pelo Brasil (uma década de 4% de crescimento anual do PIB, muito mais elevado recentemente). Portugal seria uma grande província, mas longe de ser dominante: 5% da população e 10% do PIB".
E falam das vantagens, apesar da perda de ‘status'.
"A antiga colónia tem algo a oferecer, mesmo para além da diminuição dos ‘spreads' de crédito e, proporcionalmente, défices e contas correntes governamentais muito mais baixos. O Brasil é um dos BRIC, o centro emergente do poder mundial. Isto soa melhor lar que uma cansada e velha União Europeia", escreve o FT, numa alusão aos avanços e recuos do Velho Continente em lidar com a crise de dívida soberana.
Além disso referem que a UE considera Portugal problemático: "Sem governo, elevada resistência à austeridade e crónico desempenho económico".

 

fonte: Diario Econónico Online 25/03/2011

por MrCosmos | link do post

 

 

 

" Nem sempre escolhemos os peixes que pescámos. Certos homens que amei não gostam muito de mulheres." - Palavras de Elizabeth Taylor a Truman Capote.

Fonte : Libé, 24 de Março de 2011, p. 5 /  Foto : Libé, op. cit.

Nuno

por PortoMaravilha | link do post

 

 

Ironicamente, esta época «O Jogo do Ano» , que poderá perfeitamente ser o desfecho do campeonato 2010/2011, virou-se às avessas, e, apesar dos intervenientes serem os mesmos do ano passado, os candidatos e os palcos do jogo são os opostos: desta feita são os Dragões que podem reconquistar o estatuto de campeões no estádio do rival, na Luz (acontecimento do qual à partida não acredito que o SLB permita).
Depois da experiência do ano passado (link) e de ter prometido a mim mesmo (ou melhor, se calhar foi mais a minha mulher e meus filhos) que não punha os pés em tais ambientes tão depressa... actos de vandalismo e violência só têm crescido no mundo do futebol. Os estádios estão cada vez mais entregues aos Ultras, Claques (marginais) Organizadas, e hoje sai mais uma, a noticia de mais um ataque ao autocarro da equipa e à viatura que transportava o Presidente do SL Benfica, aquando da sua deslocação, a Passos de Ferreira, na periferia da Cidade do Porto.
 
Está Portanto criado o ambiente (aguardando-se a retaliação) para a recepção daqui a quinze dias da equipa Portista e seus adeptos à "Capital da Luz", Lisboa.
O que se está a passar no futebol português não é fenómeno exclusivo nacional, alarga-se aos demais países europeus : a predominância e preponderância das claques nos estádios, arrastando a violência e afastando as famílias e adeptos do futebol.
Mas ao histórico da rivalidade no futebol português há que acrescentar mais um dado relevante, o que começou por ser uma guerra lançada nos anos 90 de Norte para Sul, que o Norte viria a ganhar, e cujo país dos "6 Milhões orgulhosamente gloriosamente sós" ainda hoje não perdoa: O perder de um estatuto no futebol nacional - e não menos importante - no futebol internacional, para o clube do norte, do qual a capital estava mal habituada a que fosse sempre seu, nem que fosse... "por decreto".
 
Um dos meus últimos textos escritos sobre futebol - esse desporto que consegue ter hoje tanto de apaixonante como de repugnante - reflectia precisamente esse meu entendimento, da nossa pequenez, à portuguesa. recupero-o hoje, tratou-se precisamente de meu post de saída/despedida na participação do Blogue BiBó PoRtO, carago!! , porque realmente, cansa, remar contra a maré!
 

Universo FCP«
 
 
Gosto de ver e olhar para o Futebol Clube do Porto, numa dimensão e grandeza como a que vai de Viena a Tokio (glórias FCP em 87/88), de Sevilha a Gelsenkirchen (glórias do FCP em 2003/2004), de Portugal para o mundo.

Serão certamente muitos mais, aos milhares, os que comungam deste tipo de ambição no FCP e isto pode ser sobretudo notório quando se olha num prisma menos habitual: desviando a atenção da árvore para a floresta.
Tanto mais clarividente se torna tal situação, quanto maior for a capacidade de desactivar certas emoções, ou a capacidade em dose certa de relativizar o quotidiano, de raciocinar.

Portugal é um país pequeno, periférico, em muitas vertentes ainda sub-desenvolvido, e que dá mostras diariamente precisamente disso.
A boçalidade impera, e para isto em muito, o já mui antigo fenómeno nacional de futebol contribui. A Industria da Bola (coisa distinta da Indústria Futebol) continua a “par e passo”, atrasada, numa verdadeira dimensão do Portugal-dos-Pequeninos, onde de resto os vários sectores da sociedade cuja “cultura da bola” tem um peso dominante, são de uma promiscuidade atroz.
O Futebol Clube do Porto, pela sua génese e características próprias, foi o único clube português que, uma vez aberta a oportunidade com o fim da ditadura politica, soube vingar, evoluir, e acompanhar uma nova era do fenómeno futebol, o da indústria futebolística, competentemente na pedalada que se lhe impunha: sobretudo globalizada.

Hoje chegados aos anos em que vivemos, e olhando para o país que temos, em nada me admira que se tente ofuscar o brilho que o FCP irradia. Neste país onde a mentalidade do “orgulhosamente sós” ainda perdura, e o nivelar por baixo é “pau para toda obra”, as raras excepções de sucesso dos mais capazes acaba por ser encarado como o desmascarar da mediocridade geral. Ao invés de servir de incentivo, é um tocar na ferida, e é isso que o FCP tantas vezes e a vários níveis, acaba por provocar.

Um exercício curioso pode passar por abrir a página do Google e fazer uma busca por FC Porto (link). Verificará que, à data corrente, o maior motor de busca mundial apresenta cerca de 10 milhões de resultados!

Se ensaiar a busca com os dados do maior clube rival (link) verificará que o SL Benfica obtém uns ”meros” 2,8 milhões de resultados.
Pode-se mudar os parâmetros da pesquisa, procurar pelos nomes completos das instituições, seleccionar a busca para determinado idioma especifico, procurar apenas imagens, etc… , regra geral, a disparidade de grandeza na amostragem irá se manter a favor do emblema azul e branco.
Vale o que vale, ou como salientado: “trata-se de um exercício curioso”, mas que ilações se podem tirar?
O Futebol Clube do Porto há já muito tempo que deixou de pertencer a um futebol e país que perdura em muitos aspectos no orgulhosamente só. O FC Porto é património do futebol global, universal, e aqui reside a sua principal exigência.

Como tal, seria por vezes bom não nos distrairmos com fait divers e outras manobras de diversão cá do burgo, sob pena de passarmos à nós próprios (portistas) um atestado de menoridade.

 

MrCosmos, 13/09/2010

 

--

Adenda, hoje 22/03/2011: Ainda há poucas semanas atrás uma peça televisiva da CNN vinha confirmar a imagem e estatuto mundial do FCP, ao que os portugueses, mesmo portistas, entretidos em gerrilhas, esquecem ou preferem não ver, e isto na realidade da "Escala do Futebol Mundial". Actualmente o FCP está no 4º Lugar deste "TOP 10" CNN, Atrás do Barcelona (1.º), Real Madrid (2.º) e M. United (3.º).

 

por MrCosmos | link do post

 

crónicas congeladas

 versão 'pt' | aussi en 'fr' | also in 'en' | версия 'ru' | auch in 'de'

 

 

Com o devido reconhecimento a todos os envolvidos na tradução para outros idiomas desta antiga crónica congelada, Fundação e Star Wars: A vitória do Saber Sobre a Espada! , disponibiliza-se para além do original em portugês, a crónica também nos idiomas francês,  Inglêsrusso e alemão.

por MrCosmos | link do post

 

 

 

Facebook  censurou a página dum  internauta Francês que publicou o quadro de Courbet :   'A origem do Mundo'.

Porquê ?

 

Até hoje, quase ninguém se lembra que Orlan paradiou A origem do Mundo de Courbet, dando-lhe o título de : 'A origem da guerra'.

Porquê ?

 

Este post pode ser lido como a continuação de "A Transmição simbólica : Folheto nº2 "

Nuno

por PortoMaravilha | link do post

 

 

Hulk, o 'jogador sensação' do campeonato portugês, descoberto pelo FC Porto na 2ª liga de futebol japonesa, há 2 ou 3 épocas atrás, cometeu ontem a infração de despir a camisola (consequente cartão amarelo) na comemoração da marcação do 2º golo do jogo frente ao União de Leiria.

 

O tema futebol - que nos apaixona - anda há muito tempo arredado das nossas linhas por aqui, porque questionamos e consideramos "até que ponto se estará transformando este palco numa arena de morte", acreditando que a manterem-se determinadas atitudes, leiam-se: verdadeiras infracções impunes sobretudo fora das 4 linhas, certamente está a caminhar para lá. E com isso não podemos pactuar.

No entanto confesso: há infracções no futebol, como a que Hulk cometeu no jogo de ontem reconhecendo seu apreço e afecto pelo povo nipónico que um dia o acolheu, que com certeza orgulha qualquer bom adepto apaixonado por futebol. Digo eu... comungando nossa solidariedade com o Japão. Porque, isto sim, está na essência do futebol.

por MrCosmos | link do post

 

 foto: Rui Macedo

 

"Participar ou não participar desta manifestação? Eis a indecisão."

Para quem acompanhou os posts por aqui sobre o tema '12 de Março' nos últimos tempos, percebeu um início de história indeciso, que culmina em algo surpreendido.

Surpreendido porque, ao querer registar o momento na minha capital de distrito, para memória futura, vejo, ouço, sinto, vivo com o meus próprios 5 sentidos, e a câmara grava, que aquilo era mais que o desabafo de uma geração. E os telejornais comprovaram: foi o desabafo de uma nação.

Extravasou os ditos "de uma geração", trouxe para a rua o comum do povo, dos 8 aos 80 , de forma pacífica, ordeira, exigente, determinada, convencida, apolítica: apenas se vislumbrava uma bandeira entre a multidão - a de Portugal.

 

Se esta e outras manifestações ficarão ou passarão, já é outra equação.

por MrCosmos | link do post

 

 

 

A bd de José Carlos Fernandes, "A pior Banda do Mundo", afirmou-se plenamente no campo mundial da Banda Desenhada.

Uma bd onde prima o elogio da inutilidade.

Uma bd plenamente cheia de aforismos que destrói com muito humor as pretenções da modernidade e do liberalismo económico.

Uma bd que foi eleita entre as melhores aquando a sua publicação.

Note-se que esta bd foi publicada com o apoio do Centre National du livre nas edições Cambourakis.

 

A tradução é de Dominique Nédellec tradutora, igualmente, de "Aprender a rezar na era da técnica". Uma Bd a ler e a meditar.

Nuno

por PortoMaravilha | link do post

 

Amor é fogo que arde sem se ver.

Je vis, je meurs : je me brûle et me noie ;

é ferida que dói e não se sente ;

J'ai chaud extreme en endurant froidure:

é um contentamento descontente.

La vie m'est trop molle et trop dure.

é dor que desatina sem doer;

J'ai grands ennuis entremêlés de joie.

 

Louise Camões (1525 ? - 1580) & Luís Labbé (1525 - 1566)

Nuno   

por PortoMaravilha | link do post

 

 

O 12 de Março de 2011 que se aproxima, começa a inquietar alguma (bastante?) gente.

Tentativas de colagens, distorção da mensagem, juízos de valor da juventude que se propõe a levantar a voz, e outras demais leituras de intenções travessas, aos objectivos pretendidos pelos auto-intitulados, e passando a citar: “quinhentoseuristas e outros mal remunerados, escravos disfarçados, subcontratados, contratados a prazo, falsos trabalhadores independentes, trabalhadores intermitentes, estagiários, bolseiros, trabalhadores-estudantes, estudantes, mães, pais e filhos de Portugal" - vão sendo apontados pelos fazedores de opinião habituais nos médias portugueses - como sempre do alto de sua "cátedra" sem sequer levantarem o cu de seus "cadeirões", e sem quererem perceber melhor o que realmente está em causa - como sendo a pura e dura demagogia que está para sair à rua, e que isso é... perigoso.

 

Tamanho "tiro no pé", como o que  Miguel Sousa Tavares deu ontem no Jornal da noite da SIC (link), só me ocorre  realmente o idêntico que Vicente Jorge Silva deu, no famoso editorial do Jornal 'O Púlico' de 1993, baptizando esta mesma geração que 20 anos depois quer voltar à rua, de "Geração Rasca".

O Movimento Organizador para 12/3 da 'Geração à Rasca', já exigiu, o respectivo direito de resposta ao canal. E era o que se lhes exigia fazer... (aqui) .

Entretanto, o manifesto de intenções vai-se clarificando, no site da organização, apoiado por uma já considerada poderosa arma, nos dias que correm,  de seu nome Facebook, convencendo cada vez mais adeptos, e começa a conseguilos de todos os quadrantes profissionais, mais ou menos habilitados, mais ou menos qualificados.

De Lisboa e Porto, as concentrações já se alargaram neste momento, e estão marcadas para o mesmo dia, para outras cidades:

Braga; Castelo Branco; Coimbra; Faro; Guimarães; Leiria; Ponta Delgada; e Viseu.

 

Depois do forte interesse e curiosidade, rodeado de alguma "graça", que a comunicação social começou por dar e exibir aos espicaçados jovens pela canção dos Deolinda, estes meteram mãos à obra, e a fase dos aconteciemntos agora passa mais por um "afiar de facas" perante as proporções do evento que ameaça meter respeito. Caso para perguntar: 12 de Março será "uma tarde de facas longas"? Ficará, ou passará?

 

por MrCosmos | link do post

 

 

   MIYOKO * Filme exibido a 1 de Março, de Yoshifumi Tsubota (Jap) - 86 min.


Apesar das horas e horas de atenções e emissões televisivas, apesar dos largos quilómetros de passadeiras vermelhas estendidas em Hollywood, não será pelos filmes nomeados nem tão pouco pelos galardoados recentemente pela Academia de Oscars, que pondero vir a ganhar algum "calo no cu" assistindo do sofá ou qualquer outra sala de cinema, à minha mais recente lista de filmes e interesses criada por estes dias no que a curtas ou longas-metragens diz respeito.

 

Não! Curioso mesmo, estou por "beber" da fonte apresentada na Edição 2011 do Fantasporto, cuja 31.ª Edição da mostra internacional  tem estado a decorrer por estes dias e termina amanhã, 6/Março.

É que, com a devida vênia para ambas, nem sequer me merece hesitações (As americanadas vs Fantasporto) não se tratasse este último de um dos nossos na lista de links aqui no COSMéTiCAS, tidos como dos mais Nobres, Invictos e Leiais!

por MrCosmos | link do post

 

 

Um internauta teve a brilhante infeliz ideia de apresentar uma reprodução, na sua página, do quadro de Courbet :

A Origem do Mundo (link).

Este mesmo internauta, por isso,  perdeu a sua conta no facebook.

É que facebook confunde alhos com bugalhos.

Pelos vistos,  Facebook não entende a pintura clássica !

Pior ainda : Este acto de censura não é neutro.

Este é o resultado de denúncias que pensam que o quadro de Courbet é um ataque contra a "arte correcta".

Facebook quer a leiteira, o leite e o dinheiro do leite ?

Facebook é uma máquina normativa que, cada vez mais, tem dificuldades em se apresentar como a expressão da liberdade e da diversidade humana.

 

Foto : Télérama, 2 de Março de 2011, p.14

Nuno

por PortoMaravilha | link do post

foto perfil.jpg

pauloc.jeronimo@gmail.com

pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D

2016:

 J F M A M J J A S O N D

2015:

 J F M A M J J A S O N D

2014:

 J F M A M J J A S O N D

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

Controle de invasão ET
comentários recentes
Hand ball is actually a nice game to watch. I firs...
Children are not good with lies. They doesnt know ...
Woww!!! I am glad you have shared this old picture...
Alors, dit-il,Au Revoir ! , dit-elle. Alexandre O'...
Jovem, apesoado, dotado, submisso, procura homem d...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
nice work, I can see your point, I can't agree wit...
.